• Notícias
    Data da publicação: quarta-feira, 06 de setembro de 2017
    Noites e vias movimentadas concentram maior parte dos acidentes fatais com ciclistas
    Considerando os atores do trânsito, os ciclistas aparecem como um dos mais vulneráveis, ao lado dos pedestres
    Por: Redação
    E-mail

    O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito alerta para os dados do Infosiga-SP, que mostram que sete em cada dez fatalidades com ciclistas no Estado de São Paulo são causados por colisão contra outros veículos e o período da noite concentra metade das ocorrências. Esse cenário reforça a necessidade de ciclistas tomarem cuidados redobrados com a segurança ao trafegar nas vias mais movimentadas, como avenidas e rodovias, que concentram 44% das ocorrências deste ano.

     

    "Considerando os atores do trânsito, os ciclistas aparecem como um dos mais vulneráveis, ao lado dos pedestres", explica a coordenadora do Movimento Paulista, Silvia Lisboa. Somente neste ano, 209 fatalidades com ciclistas foram registradas em todo o Estado, 4 casos a menos (-1,9%) na comparação com os sete primeiros meses de 2016.

     

    Destas ocorrências, 56,5% aconteceram em vias municipais e 32,5% em rodovias. Cerca de 90% das vítimas são homens, e chama a atenção também o número de idosos: 27% das vítimas tinham mais de 60 anos de idade.

     

    De olho na segurança

    Andar de bicicleta requer alguns cuidados, como o uso de equipamentos de segurança e sinalizadores luminosos. Os dispositivos são úteis para evitar uma colisão, dando mais visibilidade e reduzindo a gravidade do impacto em caso de acidentes. Apesar de não ser obrigado por lei, o uso do capacete pelo ciclista aumenta a segurança ao diminuir a chance de uma lesão na cabeça, como um traumatismo.

     

    Assim como acontece com os motociclistas, manter-se visível no trânsito também é uma forma de proteção, principalmente no período da noite. Segundo o Infosiga-SP, 50% dos acidentes fatais ocorrem após as 18h. Roupas claras ou coloridas, faixas refletivas na bicicleta e no capacete ajudam a destacar a presença do ciclista na via, reduzindo as chances de acidente. Importante atentar também para mochilas coloridas ou cuidar para que não acabem tampando uma sinalização útil.

     

    Andar na contramão 

    Um comportamento que deve ser evitado pelo ciclistas é trafegar pela contramão. Por mais que se sintam mais seguros por conseguir ver o tráfego a sua frente, há riscos nessa prática. Por exemplo, pedestres tendem a olhar somente para o fluxo dos carros para atravessar uma rua. Se uma bicicleta estiver no sentido contrário, não terá a atenção necessária e pode ocorrer um atropelamento.

     

    O mesmo raciocínio vale para os carros. Ao fazer uma curva ou abri a porta, o motorista estará atento somente aos veículos que seguem no mesmo sentido.  O tempo de reação para imprevistos também é menor, por conta da velocidade de veículos e bicicletas que seguem no sentido inverso.

     

    Por falar em velocidade, esse é um fator importante quando se fala de bicicletas em rodovias. Apesar da necessidade de mobilidade de muitas pessoas, trafegar em acostamentos é sempre um risco. A prática de atividades esportivas também não é recomendada sem equipe de apoio e segregação adequada no percurso.

     

    Opções 

    Mudar o comportamento de motoristas e pedestres, que ainda não assimilaram o aumento de bicicletas no trânsito, leva tempo. Sempre que possível, deve-se utilizar as ciclovias para trafegar nas cidades, principalmente em vias movimentadas. "É fundamental que motoristas respeitem o espaço das bicicletas e vice-versa. As cidades começam a se adaptar para abrigar melhor o ciclista, mas o melhor solução sempre é a cautela aliada à educação e o respeito às leis de trânsito", conclui Silvia Lisboa. Lembrando que os pedestres e os ciclistas são os atores mais frágeis, assim, “motociclistas e motoristas precisam ter atenção e respeito ao ultrapassar, por exemplo”, alerta.

    Veja também
  • USP descobre moléculas que podem tratar febre amarela
  • Moradora de Rafard denuncia mau estado de conservação em banheiro de Praça
  • Entrega da declaração do IR 2018 começa no dia 2 de março
  • Pesquisadores da USP encontram nova forma de detectar o vírus da febre amarela
  • Carnaval de Marchinhas em Capivari é o evento ideal para seu filho neste carnaval
  • Lei autoriza visita de pets a pacientes em hospitais municipais de São Paulo
  • Implante no cérebro ajuda a melhorar a memória humana
  • Fique atento: Carnaval não é feriado nacional
  • Inauguração da Galeria Tarsila do Amaral ocorre no dia 22
  • Projeto do Senado pretende punir passageiro que acompanhar motorista bêbado ou drogado
  • Pensão integral para cônjuge de policiais entra na reforma da Previdência
  • 6 passos para quem começou 2018 com dívidas
  • Acidentes nas rodovias federais caíram 7,5% em 2017
  • Vereadores cobram administração durante retorno das sessões camarárias em Rafard
  • Especialista em moda, Nanda Máximo, fala sobre o Carnaval

  • (19) 3491-1750
    R. Gal. Osório, 1047 Capivari / SP | CEP:13360-000