• Notícias
    Data da publicação: quinta-feira, 04 de janeiro de 2018
    Perdoar faz bem para coração, pressão e sono, explicam médicos
    Quem não perdoa fica com uma ferida aberta, liberando o tempo todo hormônios do estresse que podem fazer mal para o coração, disse um cardiologista entrevistado.
    Por: Redação
    E-mail
    Quem não perdoa fica com uma ferida aberta, liberando o tempo todo hormônios do estresse que podem fazer mal para o coração, disse o cardiologista Artur Zular em entrevista.

    É verdade que pedir perdão não é fácil. Perdoar também não. Mas quando perdoamos, o estresse associado ao ressentimento diminui a ponto de suas consequências serem notáveis fisicamente, no nosso próprio corpo.

    Diversos estudos mostram redução da pressão arterial, da frequência cardíaca, da tensão muscular. Quem perdoa também experimenta maior relaxamento, mais bem-estar e sensação de controle.

    O perdão aumenta oxitocina, hormônio do relacionamento. Melhora a imunidade e a sensação de bem-estar, aumenta a liberação de serotonina e dopamina, neurotransmissores que melhoram o humor.
    Não perdoar pode deixar o sistema de alerta sempre ligado.

    A constante liberação de hormônios do estresse, como adrenalina e cortisol, no nosso corpo faz mal, atrapalha o sono, aumenta a pressão arterial, a frequência cardíaca e a glicemia. Em outras palavras, perdoar, além de deixar você mais leve, faz economizar no gasto com remédios.

    Mas também é preciso se livrar da raia, que pode matar aos poucos, como lembrou o psiquiatra Daniel Barros. A dica é deixar a raiva ir embora. De acordo com o psiquiatra, existem dois tipos de perdão, o racional e emocional.

    Estudos mostram que quando a gente perdoa racionalmente – “não vou mais pensar nisso, talvez eu estivesse errado” – diminui um pouco a carga negativa. Mas é o perdão emocional – abrir mão das sensações negativas – que traz o benefício real para o corpo. Isso faz diminuir do estresse, cortisol, e com isso melhora a saúde do coração.

    Para o cardiologista Artur Zular, a capacidade de perdoar é muito requintada e por isso precisa ser treinada, repetida como um mantra.

    A raiva, como qualquer emoção, é transitória. Pode durar minutos e horas, mas nunca dias. Raiva que ainda persiste no dia seguinte, semana seguinte, é fruto do nosso raciocínio.


    Veja também
  • Veterinária responde dúvidas de ouvintes sobre desidratação e banhos no inverno
  • Vacina brasileira contra a dengue é patenteada e deve chegar ao mercado nos próximos meses
  • Golpe promete desconto em óculos de sol para roubar perfis em redes sociais
  • Guarda Civil apreende rapaz com pinos de cocaína e R$70 em Capivari
  • Comércio vendeu mais no Dia dos Namorados afirma pesquisa
  • Maior vestibular do País, prova da Fuvest terá reconhecimento facial dos candidatos
  • Blitz da Lei Seca autua 73 motoristas; Seis deles podem pegar até três anos de cadeia
  • Atenção às medidas de segurança na passagem pelos pedágios eletrônicos; lei determina retirada de cancelas
  • Artista que faz estátua viva em Capivari passa por dificuldades e tem morado na rua
  • Dpvat já indenizou 148 mil vítimas em 2018
  • 62% dos jovens brasileiros têm o desejo de morar fora do país, revela pesquisa
  • 60% dos torcedores trocaria título do time por hexa na Copa, diz pesquisa
  • Provimento regulamenta teletrabalho nos cartórios de notas e de registro
  • Inverno exige cuidado redobrado com a pele
  • Preços dos combustíveis diminuem, mas gasolina e álcool estão mais caros que antes da greve

  • (19) 3491-1750
    R. Gal. Osório, 1047 Capivari / SP | CEP:13360-000