• Parabólicas
    Data da publicação: sexta-feira, 10 de novembro de 2017
    Odebrecht quer tornozeleiras mais confortáveis para seus executivos condenados
    Por: Redação
    E-mail


    #DeuNoTerapia

    Desde que saiu da prisão, em abril de 2016, um ex-funcionário da Odebrecht e hoje delator trava uma briga com o acessório que carrega junto do corpo, a tornozeleira eletrônica. Ele reclama do desconforto dos aparelhos. Segundo ele, são muito grandes, não podem ser usadas com alguns tipos de roupa como bermudas, calças justas e botas e têm baterias com duração muito pequena.

    O executivo propôs até uma doação para melhorar os aparelhos, já que vários outros executivos, entre eles o patriarca Emílio Odebrecht e o filho, Marcelo, terão que usá-lo em breve depois do acordo de delação premiada na operação Lava-Jato. A sugestão, não aceita pelos procuradores, foi comprar um modelo de tornozeleira menor e com bateria mais poderosa.

    Eles descobriram isso depois de uma grande pesquisa que chegou a seis marcas, quatro dos Estados Unidos, uma da Suíça e a “escolhida” por eles, de Hong Kong.


  • Veja mais parabólicas