• Parabólicas
    Data da publicação: sexta-feira, 17 de novembro de 2017
    Machucados feitos durante o dia saram mais rápido, aponta estudo
    Por: Redação
    E-mail



    Se a ciência pudesse dar uma dica aos mais distraídos, seria a de passar longe de objetos cortantes depois que o Sol se põe. Um estudo mostrou que, além da gravidade do machucado, o momento que ele acontece também pode interferir no tempo de recuperação. Feridas feitas durante o dia, por exemplo, saram 60% mais rápido que as noturnas, em média.

    Antibióticos e curativos até costumam dar um alívio para esse tipo de lesão. Porém, para que tudo volte ao normal, só mesmo com a inevitável ação do tempo. Não há muito como acelerar as coisas: quem se machuca precisa esperar o corpo colocar suas defesas em campo e formar a famosa “casquinha” na região.

    Acontece que certos genes, que vivem em células da pele ligadas ao processo de cicatrização obedecem ciclos bem definidos de dia e noite. É mais ou menos como acontece com seu expediente aí na firma: até as 18h, você desempenha sua função a todo vapor. Depois de bater o ponto, ainda é possível resolver certas pendências, mas com velocidade menor que a habitual. Assim, é normal que, no período “comercial”, sua ação seja mais rápida.

    No estudo, foram identificados 30 genes, todos fãs de uma vida mais diurna. Isso faz com que, de dia, duas vezes mais proteínas se movam até a região machucada. Os cientistas comprovaram o efeito prático dessa preferência analisando dados sobre queimaduras, cedidos pela Universidade de Manchester, na Inglaterra. Os resultados mostraram que as feridas diurnas demoraram 17 dias para se recuperar, em média, já para as lesões feitas à noite levaram 28 dias para se recuperar. 
    Fonte: Super Interessante

    Veja mais parabólicas