• Parabólicas
    Data da publicação: terça-feira, 23 de janeiro de 2018
    Se apaixonar faz seu cérebro encolher, diz pesquisa
    Por: Redação
    E-mail


    Esse é o resultado de um estudo realizado pelos neurocientistas do Instituto Nacional de Ciências Fisiológicas, no Japão. Para chegar a essa conclusão, foram recrutados 113 voluntários. De cada um, foram coletados exames de imagens do cérebro. Enquanto metade dos indivíduos namorava há pelo menos um mês, a outra estava solteira. Além das ressonâncias, os grupos precisaram também preencher questionários sobre seu atual estado de felicidade.

    Foi nesse momento que a descoberta foi feita. Com resultados dos exames e testes em mãos, os pesquisadores japoneses perceberam que os voluntários que haviam começado a namorar recentemente estavam consideravelmente mais felizes do que o restante do grupo. Não só isso, os mesmos apresentaram por meio dos exames terem uma área do cérebro reduzida em comparação aos solteiros.

    Os apaixonados tinham menos massa cinzenta (importante componente do sistema nervoso central responsável por interpretar os impulsos nervosos envolvidos no controle muscular, visão, audição, memória, emoções e fala) no corpo estriado dorsal, uma parte do cérebro relacionada ao sistema de recompensa, responsável por nos fazer sentir bem ao fazer sexo, comer, beber, etc.

    Ainda não foi descoberto o motivo dessa diferença entre os cérebros dos apaixonados mais recentes e os solteiros, mas a oposta dos cientistas é que a região tende a diminuir em resposta aos sintomas de estar apaixonado. Ou seja, para que o cérebro não seja sobrecarregado de recompensa quando o indivíduo se apaixona, essa diminuição seria uma forma de conter essa sobrecarga de emoções.

    Para se ter certeza absoluta sobre a relação entre estar apaixonado e a diminuição da massa cinzenta no cérebro, novas pesquisas mais completas e aprofundadas são necessárias.

    Fonte: Areah

    Veja mais parabólicas