• Parabólicas
    Data da publicação: terça-feira, 13 de março de 2018
    Após gravidez de risco aluna de uma universidade defende TCC em sua casa
    Por: Redação
    E-mail



    Ceciane Reis mora em Muaná, no Pará e é aluna de Letras na Universidade Federal do Pará (UFPA), mas no último ano de sua licenciatura ela engravidou, e era uma gravidez de risco. Com esforço e dedicação ela conseguiu continuar o curso até o fim, mas quando estava chegando próxima a data da defesa de seu TCC , o famoso Trabalho de Conclusão de Curso, também veio a hora do parto, porém, foi um parto de risco do qual ela teve algumas complicações e ficou impossibilitada de comparecer na faculdade na data da defesa do TCC.

    Claro que ela ficou desesperada com a possibilidade de não se formar depois de tanto esforço, e neste momento seus professores deram uma belíssima demonstração de empatia e disseram que se ela não pudesse ir até Belém para defender sua banca, eles iriam até a sua casa. A jovem afirma que quando eles fizeram esta proposta, ela aceitou na hora:

    Que bom que existem pessoas assim, não é mesmo? Eu queria me formar junto de minha turma, e não poderia esperar o período da licença maternidade terminar. Fiquei muito preocupada achando que não conseguiria, foi muito difícil.

    Após o convite, uma nova jornada começou. Amigos e familiares de Ceciane começaram a se organizar rapidamente na preparação da casa para a chegada dos professores. A defesa aconteceu em um espaço entre a cozinha e a sala da professora e foi assistida por uma plateia repleta de amigos e familiares emocionados.

    Após cerca de vinte minutos de apresentação, Ceciane Reis enfim realizou o sonho de uma vida, sendo avaliada com uma nota final Excelente. Sempre fui muito grata universidade pela oportunidade de uma formação na área em que sempre gostei. Então nem por um momento pensei em desistir de realizar meu sonho, mesmo com todas as dificuldades da gravidez, finalizou a professora, finalizou a formanda.

    Fonte: Só Notícia Boa




    Veja mais parabólicas