Compartilhe

O ano era 1994. Um jovem de 17 anos, que segundo relatos era carinhoso e muito habilidoso com carros, com uma paixão pelo seu Mustang 68 amarelo, cometeu suicídio. Ninguém da família ou amigos perceberam os sinais que o garoto dava que viria a tirar a própria vida. Durante o funeral, os amigos montaram uma cesta com fitas e cartões amarelos, com mensagens como “Se precisar, peça ajuda”. 

Foto: Reprodução

Em 2003, após a popularização nos Estados Unidos de jovens que precisavam de ajudar entregavam em um cartão amarelo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o dia 10 de setembro como o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio. Como homenagem, a cor amarela foi a escolhida para representar o movimento. 



No Brasil, como forma de estender a campanha, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), criaram o Setembro Amarelo no ano de 2014. 

As campanhas visam o mesmo objetivo, diminuir a incidência de casos de suicídio no mundo. Segundo o site da campanha, no Brasil, cerca de 13 mil suicídios acontecem por anos, sendo mais comum entre os jovens. Desse valor, mais de 90% dos casos são por decorrência de transtornos psicológicos. 

A campanha acontece no Brasil inteiro por diversas formas, como palestras e atividades em escolas, locais públicos e afins. No município de Capivari, a prefeitura já divulgou que está trabalhando os temas que desenvolverão na campanha, que deve começar a partir da segunda quinzena do mês.

A secretária de Saúde, Vládia Guimarães, destaca os sinais que uma pessoa expressa quando está precisando de ajuda. “Infelizmente o suicídio é um problema real na sociedade, sintomas como afastamento social, despedidas em excesso e nítida aversão de si, podem ser sinais de que alguém esteja passando por um período difícil.” 



Na cidade, alguns locais que podem ajudar caso precise de atendimento são: CAPS II Reviver (transtornos mentais graves e persistentes), CAPS AD Renascer (transtornos por consumo de álcool e drogas) e o Ambulatório de Saúde Mental. Caso você seja uma pessoa que não sabe como perceber os sinais, ou que queira um material confiável para divulgar a campanha, o Setembro Amarelo possui em seu site dicas e cartilhas que podem te auxiliar nisso.

Vale lembrar que, em um momento de crise, o Centro de Valorização à Vida (CVV) está disponível para atendimento 24 horas por dia, sete dias por semana, garantindo total sigilo. O telefone para contato é 188.