Compartilhe

As altas temperaturas exigem atenção redobrada aos pacientes cardíacos. Segundo a cardiologista Ivia Dayana Mallau Fulguera, o calor pode aumentar os riscos à saúde do coração, sobretudo para pessoas que possuem doenças como hipertensão ou arritmias cardíacas.

“O calor provoca o aumento da espessura do sangue, fazendo a pressão e a frequência cardíaca subirem, o que eleva os riscos de um infarto ou um derrame”, destaca. Ela explica que isso ocorre por conta da dilatação dos vasos sanguíneos e do suor, fazendo com que a pessoa perca muito líquido e o organismo tente compensar, causando a compressão desses vasos.



Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 35% da população é hipertensa, embora estime-se que apenas metade tenha conhecimento da doença e que, entre os diagnosticados, somente 45% têm a pressão controlada com medicamentos.

Somado a isso, a especialista lembra que, devido à pandemia de covid-19, muitas pessoas deixaram de procurar atendimento médico, fator que elevou os riscos de agravamento de doenças cardíacas. “A junção desses dois fatores pode ser muito perigosa para aqueles que já têm a saúde do coração afetada”, pontua.

Dessa forma, a cardiologista reforça a importância de realizar avaliações médicas periódicas, lembrando que enfermidades como a hipertensão nem sempre apresentam sintomas. “Principalmente pessoas que já possuem histórico familiar de doenças cardíacas, idosos e obesos devem fazer acompanhamento regular com aferição da pressão arterial”, exemplifica.

A médica também alerta para os sintomas críticos que podem ser mais comuns nos dias quentes:

  • Tontura ou dor de cabeça inesperada
  • Visão turva e náusea
  • Aceleração dos batimentos cardíacos
  • Sensação de incômodo na garganta
  • Dor no peito que irradia para o braço esquerdo, costas ou queixo


Além de fazer o acompanhamento médico adequado, alguns cuidados especiais podem fazer a diferença. Quando as temperaturas estão elevadas, é recomendado aos pacientes cardíacos que evitem praticar atividades físicas em excesso e mantenham-se bem hidratados. “Também é importante que diminuam o tempo de exposição ao sol e permaneçam em ambientes bem arejados”, completa.

Outra dica é evitar alimentos com alto teor de colesterol e o excesso de bebidas alcoólicas. Vale frisar que, caso uma pessoa passe mal devido ao calor, é fundamental chamar o serviço de emergência imediatamente. “Enquanto aguarda atendimento, é possível auxiliar o paciente mantendo-o deitado e elevando suas pernas em torno de 45 graus, isso melhorará o retorno venoso, ajudando a normalizar a pressão”, indica.

Por fim, é recomendado que pessoas que já tenham diagnóstico de problemas cardíacos procurem um médico para uma avaliação geral próximo aos períodos mais quentes do ano, a fim de verificar se há necessidade de alguma medida extra ou alteração nos medicamentos.