Compartilhe

Um vídeo de uma babá colocando coleiras para passear com as crianças que ela toma conta tem divido opiniões nas redes sociais. Nicole Nadya compartilha sua rotina como “au pair”, que são pessoas que ajudam uma família a cuidar dos filhos em um país diferente. Segundo ela disse no TikTok, os pequenos são “terríveis”, e por isso utilizam o acessório. “Eles já sabem que quando vai sair de casa, é na coleira”, contou a jovem.

Ela aproveitou para mostrar melhor o acessório, que é uma espécie de mochila que é colocada nas costas da criança, com um fio ligando a uma pulseira que vai no braço do responsável. É bem reforçada, a criança realmente não tem como tirar. E elas já estão até acostumadas. Eu sei que ainda é estranho em alguns lugares mas eu prefiro que as pessoas me olhem torto do que ter uma criança correndo no meio da rua”, justificou.



Em outra cena, uma das crianças apareceu usando a coleira e deitada no chão, aparentemente não querendo passear. Uma outra garotinha começou a correr na rua, mas a coleira impediu que ela fosse longe. A escolha da babá dividiu as opiniões nas redes sociais, com muitos internautas achando a coleira útil para as crianças, e outros apontando problemas como o sadismo. “Quem critica é porque nunca cuidou de criança”, defendeu uma pessoa nos comentários do TikTok.

O psicólogo Reginaldo do Carmo Aguiar, especialista em terapia comportamental pela UFU (Universidade Federal de Uberlândia), disse que o correto é chamar o acessório de “contentor, mochila-guia ou ainda cordão de confiança”. Ele avalia que utilizar o contentor torna-se viável quando as crianças são muito agitadas.

Já a psicanalista Gláucia Faria da Silva opinou que é preciso evitar o uso constante do objeto. Isso porque ele pode atrapalhar a conquista da autonomia e o aprendizado das crianças sobre limites. “Esses contentores foram pensados para serem usados em crianças com idade entre 18 e 36 meses, que não têm qualquer compreensão de riscos e perigos”.

Fonte: Bhaz