Compartilhe

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou nesta quinta-feira (5) que assinou um acordo de cooperação com a farmacêutica MSD para a produção de um primeiro antiviral oral contra a Covid-19 — veja abaixo quem pode tomar e quais são as limitações.

O medicamento em questão é o Molnupiravir, aprovado para uso emergencial nesta quarta-feira (4) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A reguladora havia recebido o pedido de uso do antiviral fabricado pela Merck/MSD em novembro de 2021.  



A Fiocruz será responsável pela armazenagem, administração, rotulagem, embalagem, testagem, liberação, importação e fornecimento do medicamento para o Sistema Única de Saúde (SUS).

“O acordo prevê ainda a condução de ensaios clínicos, em parceria com a farmacêutica, para eventual uso em profilaxia de Covid-19, e o início de estudos experimentais de análise da atividade do medicamento em outros vírus também endêmicos no Brasil, como dengue e chikungunya”, informou a fundação nesta quinta-feira.

O Molnupiravir também recebeu aprovação da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA), do Reino Unido, da Agência Reguladora Europeia (EMA) e da FDA (Food and Drug Administration), reguladora dos Estados Unidos. O medicamento está em uso em 17 países, segundo a Fiocruz.

Como funciona e quem pode tomar?

Segundo a Anvisa, o medicamento é indicado para adultos que não requerem oxigênio suplementar e que apresentam risco aumentado de progressão da doença para casos graves e e cujas opções alternativas de tratamento aprovadas ou autorizadas pela Anvisa não são acessíveis ou clinicamente adequadas.



O molnupiravir, conhecido internacionalmente pelo nome comercial de Lagevrio, é um antiviral; atua impedindo a replicação do coronavírus.

Limitações de uso

O medicamento é de uso adulto, com venda sob prescrição médica. Seu uso não é recomendado durante a gravidez, a amamentação e em mulheres que podem engravidar e que não estão usando contraceptivos eficazes. Segundo a Anvisa, isso acontece porque estudos de laboratório em animais mostraram que altas doses do medicamento podem afetar o crescimento e o desenvolvimento do feto.

A Agência também esclarece que o medicamento é contraindicado para o uso por mais de cinco dias, para início do tratamento em pacientes que necessitam de hospitalização devido à Covid-19 e como forma de profilaxia pré-exposição ou pós-exposição ao SARS-CoV-2.

Ainda segundo a entidade regulatória, o medicamento deve ser usado após a avaliação e a prescrição médica e ele não substitui as vacinas contra a Covid.