Compartilhe

O Secretário Estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, anunciou nesta segunda-feira (19), que a campanha de vacinação contra a Covid-19, seguirá o modelo de outras influenzas — como a gripe comum e a H1N1 —, sendo aplicadas anualmente, para atingir as novas cepas da doença. A campanha iniciará no dia 17 de janeiro de 2022, um ano após a primeira pessoa vacinada no Brasil. O anúncio ocorreu durante a entrega das 1 milhão de doses da vacina ao Ministério da Saúde.

Foto: Reprodução

O secretário disse que ainda não é possível falar que uma terceira dose do imunizante será um reforço, por falta de estudos que comprovem isso, mas que é certo que todos os anos, haverá doses para as campanhas de vacinação.  Até o momento, Gorinchteyn não afirmou se o anúncio tem ligação com o Ministério da Saúde, mas disse que a medida deverá ser conversada com o governo federal, para que o impacto seja nacional.



“Nós entendemos que essa articulação junto com o próprio Ministério da Saúde, junto com o próprio Conass [Conselho Nacional de Secretários de Saúde], que é exatamente esse conselho de secretários da saúde dos estados, também terão esse entendimento para que possamos expandir essa nova fase de vacinação não apenas para São Paulo, mas para todo o país”, Jean Gorinchteyn

Já o Conass expressou em nota a importância de tal coordenação com o Programa Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o coronavírus, sendo pautadas no consenso científico sobre tal eficácia. O conselho ainda diz que a prioridade é imunizar a população até 18 anos o mais rápido possível.

A expectativa, segundo o secretário, é que até a data, a produção do imunizante seja concentrada no Brasil, através das vacinas feitas pelo Butantan — Butanvac, que está em análise da Anvisa para ser liberada, e da Coronavac, onde vem sido trabalhado para que a tecnologia chinesa seja transferida do laboratório chinês, e assim, diminuindo a dependência de importação da matéria-prima do imunizante.