Compartilhe

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (28) que ampliará o horário de funcionamento do comércio até a meia-noite e a capacidade de ocupação dos estabelecimentos para 80% a partir do dia 1º de agosto. Atualmente, a horário limite é 23h e a capacidade 60%.

O anúncio acontece cerca de 20 dias depois do governo paulista ter anunciado, em 7 de julho, a ampliação da capacidade de 40% para 60%.



De acordo com o vacinômetro do governo, cerca de 76% dos adultos com mais de 18 anos do estado já foram imunizados com a 1ª dose do imunizante até 11h45 desta quarta (28). A aplicação da 2ª dose ou da dose única da vacina atingiu apenas 20,98% da população adulta de São Paulo.

No total, 25,7 milhões de paulistas já tomaram a 1ª dose do imunizante, enquanto 8,6 milhões foram imunizadas com as duas doses e 1 milhão tomaram a vacinação de dose única, segundo o vacinômetro.

Pandemia no estado

Nesta terça-feira (27), o estado registrou a menor média diária de novas internações por Covid desde novembro de 2020. Foram 1.153 internações em média no dia, valor que não era registrado desde 20 de novembro, quando a média foi de 1.156.

No pior momento da epidemia, em março e abril deste ano, o estado chegou a registrar média de 3.399 novas internações diárias.



A diminuição das novas internações nas últimas semanas é um sinal positivo do avanço da vacinação, mas os especialistas alertam que não é possível dizer que a pandemia está controlada.

Autoridades de saúde também se preocupam com a presença da variante Delta ao estado de São Paulo, o que pode voltar a aumentar o número de casos.

O número total de pacientes internados atualmente, embora também em queda, ainda está em patamar semelhante ao de julho de 2020, primeiro grande pico da epidemia.

Até esta terça, o estado contabilizava 11.518 pacientes internados por Covid, sendo 6.028 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 5.490 em enfermaria.

A taxa geral de ocupação de leitos de UTI é de 54% no estado e de 49,6% na Grande São Paulo, considerando toda a rede de saúde.

A média móvel diária de novas mortes é de 321 nesta terça, valor 7% menor do que o registrado há 14 dias, o que indica tendência de estabilidade. No pior momento de 2020, no entanto, o recorde na média móvel de mortes havia sido de 289.

A média diária de caos é de 9.693 na terça, valor 6% menor do que o registrado há 14 dias.

Plano São Paulo

Em 2020, o governo estadual criou o Plano São Paulo, para regulamentar as regras da quarentena em cada região. No entanto, desde 18 de abril, todo o estado de São Paulo está na chamada fase de transição, e os critérios originais do plano deixaram de ser obedecidos.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

A fase de transição foi criada para representar uma etapa transitória da fase emergencial, a mais rigorosa da quarentena, mas desde então as regras do plano foram abandonadas.

De acordo com o plano, o funcionamento de estabelecimentos comerciais até as 23h seria liberado apenas na fase verde, que poderia ocorrer apenas com taxas de ocupação de UTI abaixo de 60%.

Mas esta liberação já foi anunciada em 7 de julho, quando a taxa de ocupação dos leitos estava em 70% no estado como um todo e acima de 80% em várias regiões do interior. A média de mortes e casos também estava em patamar muito acima do registrado na primeira onda da pandemia em 2020.

Antes da mudança do dia 7 de julho, o governo de São Paulo havia adiado três vezes a liberação do funcionamento do comércio até as 22h, renovando a chamada fase de transição do Plano SP que iria até o dia 15 de julho.

No final de maio, o comércio foi autorizado a elevar a capacidade máxima de 30% para 40%. Na prática, porém, não há lei, multa ou fiscalização para verificar esse percentual.

Fonte G1 São Paulo