Compartilhe

Metade de todas as tarefas de trabalho será realizada por máquinas até 2025, segundo prevê um relatório do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês). No documento, a organização afirma que a esperada “revolução robótica” vai criar 97 milhões de empregos em todo mundo e destruir outros tantos, deixando alguns grupos sociais em situação de vulnerabilidade.

Segundo o WEF, trabalhos manuais e rotineiros que envolvam administração e processamento de dados serão automatizados; já novos empregos surgirão em campos como Economia Verde e Big Data. A pesquisa abrangeu 300 das maiores empresas do mundo, que empregam 8 milhões de pessoas globalmente. Mais de 50% dos empregadores entrevistados demonstraram interesse em acelerar a automatização de algumas funções em suas companhias, enquanto 43% afirmaram que provavelmente cortariam empregos devido à tecnologia.



O WEF lembra que a pandemia fez com que empresas buscassem novas formas de trabalhar com custos reduzidos, o que intensificou a adoção de novas tecnologias. Sobre o assunto, a organização alertou que os trabalhadores agora enfrentam uma dupla ameaça: a automação acelerada e as consequências da recessão causada pela covid-19.

Atualmente, cerca de um terço de todas as tarefas de trabalho é feito por máquinas. No entanto, essa proporção vai mudar nos próximos 5 anos. Segundo o relatório, a qualificação se tornará extremamente essencial para aqueles que querem se manter ou se inserir no mercado de trabalho.

Essa virada vai afetar principalmente trabalhadores mal-remunerados e menos qualificados. Diante disso, o Fórum Econômico Mundial defende que os governos devem tomar medidas para proteger os grupos mais vulneráveis.