Compartilhe

Nos últimos dias, o papo das diferenças entre gerações tomou conta das redes sociais e o termo Cringe tem sido usado constantemente. Mas antes de entender o termo, vamos entender um pouco das gerações.

Os Millennials ou Geração Y, que são aqueles que nasceram entre 1980 até 1994, são vistos pela geração Z, que são as pessoas nascidas entre 1995 a 2010, como pessoas mais velhas que tem certos costumes que já estão fora de moda — ou, como a Geração Z gosta de falar, os Millennials são cringe.



A palavra Cringe ficou cada vez mais comum entre os adolescentes da rede social, mas não tem tradução literal. Ainda assim, ela pode se interpretada como algo do tipo “vergonha alheia” ou a famosa gíria “mico”. Ou seja, ela é usada para situações que consideramos vergonhosas de outras pessoas.

Se você nunca ouviu falar sobre essa expressão, sinto dizer: a Geração Z já te considera ultrapassado. Vale lembrar que a busca pelo termo também aumentou pelo menos 70% ao longo dessa semana.

E entre os costumes considerados cringe para a geração Z, estão uma série de hábitos: tomar café da manhã — e, de fato, gostar muito de café, mesmo sem açúcar —, usar o cabelo dividido de lado, sapatilhas, calça skinny, falar sobre boletos o tempo todo, gostar da Disney, Harry Potter e Friends, preferem um estilo minimalista, tomam litrão (não cerveja!) e, acima de tudo, não saber o significado da palavra cringe.

Todos esses hábitos já são considerados, para essa nova geração, ultrapassados. E isso ressalta a grande diferença de gerações, visto que a geração Z se destaca por costumes bastante diferentes: usam calças mais largas, cabelo dividido ao meio, são adeptos do energético Monster, escutam cantoras mais novas, são usuários do TikTok, fãs de K-pop e readaptaram algumas das gírias comuns.