Compartilhe

As facilidades oferecidas pelos pagamentos por Pix também abriram caminho para novos tipos de golpe. Em bares e restaurantes, o truque mais comum é o envio de comprovantes de transferência com valores adulterados para os estabelecimentos. Por exemplo, para pagar uma conta de R$ 100, os golpistas fazem um depósito de apenas R$ 1, mas mandam comprovantes com o valor alterado para o valor realmente cobrado.

Acontece que muita gente confere apenas a notificação de transação que aparece no celular, deixado para verificar todos os dados da operação em outra hora – e depois tem que arcar com o prejuízo. Há cerca de um mês, o dono de uma pizzaria na zona leste de Teresina, entrou para a lista de vítimas de um desses golpistas. O bandido fez um pedido de delivery no valor de cerca de R$ 300, incluindo pizzas e bebidas, mas enviou apenas 1 centavo para o dono do local.



“Foi a primeira vez (que caímos em um golpe) em 12 anos de pizzaria, aí ficamos mais vigilantes, principalmente com Pix falso”, afirmou o empresário. Agora a gente só entrega depois que realmente confirma o valor na conta”, acrescentou.

O malandro, porém tentou mais uma vez aplicar o truque na pizzaria. Na noite de segunda-feira (25), o dono da pizzaria notou no aplicativo do banco a chegada de dois Pix de R$ 0,01 (1 centavo). Depois de perceber que provavelmente se tratava do mesmo farsante, a pizzaria resolveu se vingar e mandou para o estelionatário uma pizza só com a massa seca, sem recheio o e um suco em pó com sal. A pizzaiola ainda escreveu ‘pix fake’ na caixa.

Depois do pedido recebido e checado, o golpista disse por WhatsApp ao empresário que não tinha entendido a entrega daquela forma e em seguida bloqueou a pizzaria. Mas, ao ser desmascarado, ele se desculpou e disse que “roubou para comer” – o que também era mentira, como se viu depois. Vídeos divulgados em um grupo de empresários de bares e restaurantes de Teresina, revelaram que o homem tentou aplicar o golpe em outro lugar, dessa vez para comprar cerveja.