Compartilhe

Às 19h15, Santos entrava em campo contra o Grêmio para realizar a partida que definiria qual das duas equipes seria o outro brasileiro na semifinal, já que do outro lado da chave, o Palmeiras havia eliminado o Libertad do Paraguai um dia antes e avançado para a última fase antes da final. Mais tarde, às 21h30, o São Paulo faria um duelo de líder contra vice-líder pelo Brasileirão.

Santos avança para a semifinal da Libertadores



Um empate por 1 a 1 em Porto Alegre, deixou a partida na Vila Belmiro mais tensa. O Santos não tinha uma vantagem clara, se classificaria com um placar de 0 a 0, mas se tomasse um gol a história poderia mudar. Pensando nisso, o treinador do Santos, Cuca, preparou o time para fazer pressão na saída de bola do adversário e tentar abrir o placar logo no início da partida.

O que não se esperava é que a estratégia traria frutos tão rápido. Kaio Jorge, com 11 segundos de partida, marcou o gol mais rápido da história do Santos na Libertadores. Após passe errado de Jean Pyerre, o camisa 9 do Santos, venceu David Braz na arrancada e tocou para o gol após a saída do goleiro Vanderlei.

O tricolor gaúcho parecia assustado com a pressão inicial e mesmo após o gol, não conseguia evitar a marcação alta da equipe santista. Marinho teve ótima chance para marcar ainda com dois minutos de partida, porém não aproveitou. A resposta gremista veio aos 5 minutos quando pressionando a saída de bola da defesa santista Diego Souza recuperou a posse e entregou passe na medida para o próprio Jean Pyerre que desperdiçou cara a cara com John, goleiro do time da casa, acertando o travessão.

Apesar do susto, o Peixe não abriu mão de seu jogo ofensivo. Com 15 minutos de partida, o contra-ataque super veloz puxado por Lucas Braga foi convertido em gol. A estrela, Marinho, finalizou com a jogada com forte finalização de primeira no canto superior direito do gol gremista e começou a encaminhar a classificação santista. Antes do final da primeira etapa, Matheus Henrique acertou mais uma vez o travessão, tentando iniciar uma recuperação tricolor, mas o placar de 2 a 0 permaneceu até o fim dos primeiros 45 minutos.



A volta para o segundo tempo poderia reservar ao Santos um modo de jogo mais defensivo pois já havia construído uma vantagem concreta, mas não foi isso que se viu. Continuando com a postura ofensiva, o time de Cuca conseguiu um escanteio e logo aos 8 do segundo tempo marcou o terceiro da partida. Novamente, o artilheiro santista na competição, Kaio Jorge, apareceu para finalizar e até o momento garantia a classificação santista e o título de melhor da partida.

Foto: Ivan Storti

Precisando de três gols para se classificar, Renato Gaúcho mandou seu time ao ataque, mas foi barrado pela forte marcação do Peixe e somente conseguiu criar chances de gol em cobranças de falta, chances que foram destruídas pelas defesas de John que em noite inspirada, segurava o zero no placar com defesas incríveis.

Uma tentativa de reação gaúcha veio através de um cruzamento na área e com cabeçada de Thaciano, o gol saiu aos 35 do segundo tempo, porém a esperança durou pouco tempo. 2 minutos após tomar um gol o Santos pagou com a mesma moeda e fez o quarto na noite. Jean Mota colocou a bola na cabeça de Laércio que só teve a missão de cabecear e fechar o placar e garantir a vaga do Santos na semifinal da Libertadores.

Com a classificação o Santos se junta ao Palmeiras e dependendo de resultados pode encarar o rival em uma possível final que acontecerá em Janeiro no Maracanã.

No Morumbi, São Paulo recupera vantagem de 7 pontos para o vice.

A partida entre São Paulo e Atlético Mineiro era a mais aguardada da rodada, o duelo poderia definir o futuro das equipes na competição. Se o Galo vencesse fora de casa, ficaria a um ponto do líder do campeonato e a qualquer tropeço tricolor poderia retornar à liderança. Caso o São Paulo ganhasse o confronto, abriria uma vantagem de 7 pontos para o segundo colocado sem confrontos diretos pela frente.

No fim, a segunda opção foi a que prevaleceu. Fernando Diniz em duelo contra Sampaoli, mostrou o motivo de seus comandados estarem na primeira colocação no Campeonato Brasileiro, com muita pressão pra cima do adversário e intensidade durante toda a partida, o tricolor conseguiu vencer a segunda melhor campanha até o momento por 3 a 0.

Com dois adversários tão fortes, era de se esperar um confronto equilibrado e assim foi, pelo menos até o primeiro gol são paulino, que saiu aos 24 minutos da primeira etapa. Hygor Gomes abriu o placar com uma finalização de fora da área e deixou o jogo um pouco menos tenso para o lado tricolor.

O Atlético Mineiro, comandado por Jorge Sampaoli, sofria com a forte marcação tricolor e a falta de movimentação e criatividade do seu meio de campo. Mesmo com posse de bola, poucas chances claras de gol foram criadas e não conseguia iniciar uma reação em busca da virada.

FOTO: Rubens Chiri

O segundo tempo reservaria um jogo menos movimentado, sem muitas oportunidades e com muita chuva. As duas equipes não conseguiram alterar o placar até os 37 minutos, quando aproveitando-se da vantagem numérica, após a expulsão de Allan com 29, Gabriel Sara apareceu sozinho na área para marcar o segundo gol do São Paulo na partida.

Sofrer o segundo gol obrigou o Galo a se arriscar ainda mais ao ataque mesmo com um jogador a menos. Cenário perfeito para a equipe de Diniz se aproveitar e resolver a partida fazendo o terceiro e fechando o placar. Toró, em jogada individual, se livrou de seu marcador e finalizou de fora da área decretando a vitória do tricolor do Morumbi.