Compartilhe

Um saruê, espécie também conhecida como gambá, foi resgatado em uma agência bancária na cidade de Capivari. A Defesa Civil atendeu um chamado de resgate nesta quinta-feira (27), por volta das 15h.

O momento do resgate foi filmado e postado nas redes sociais. O animal foi levado pela Defesa Civil, onde retornará à natureza. 



Vídeo: Reprodução Facebook

O caso não é o único. Outras pessoas têm pedido à Defesa Civil para resgatar animais silvestres que entram em suas residências. Mais recentemente, foi efetuado um chamado para a extração de um gambá e uma colmeia na Vila Clemente, sendo ambos soltos em área de preservação ambiental. 

O aparecimento de animais silvestres em locais urbanos se deve ao desequilíbrio ecológico, onde o habitat natural é destruído pelo desmatamento, queimadas e poluição do local. Com isso, animais predadores acabam desaparecendo e outros animais com maior grau de adaptação acabam se desenvolvendo. É o caso dos gambás, que têm uma alta taxa de reprodução, não são predados mais na quantidade necessária por felinos e aves de rapina, e se adaptam de forma fácil em locais urbanos. Outro ponto importante é que com a chegada da primavera e do calor, a cidade se torna ainda mais atrativa para os gambás, já que é nesta época que eles se reproduzem mais facilmente, sem predadores e com comida em abundância. 

Ao encontrar um animal silvestre em sua residência, o padrão a se fazer é manter a distância e ligar a Defesa Civil através dos números 199 ou pelo (19) 3492-3186, ao Corpo de Bombeiros pelo 193 ou à Diretoria de Meio Ambiente pelo telefone (19) 3492-2975. Esses animais, além de atacar por se sentirem em perigo, podem transmitir doenças. No caso do saruê, que é o mais comum de se achar, por meio da sua urina, ele pode transmitir doenças como a leptospirose e por meio das fezes transmitem verminoses. Caso mordam podem transmitir a raiva. O cativeiro não licenciado, comercialização, maus-tratos e a morte desses animais são passiveis de multa e prisão, segundo a Lei de Crimes Ambientais nº9605/98