Compartilhe

Entidades ligadas a professores da rede pública são contrárias à reabertura das escolas. Na última semana, a Fepesp (Federação dos Professores do Estado de São Paulo), o Afuse (Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo), a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o CPP (Centro do Professorado Paulista) já haviam entrado com ação para impedir as aulas presenciais no Estado.

Presidente da Fepesp, Celso Napolitano vê com ressalvas a retomada para atividades extracurriculares. “Pedagogicamente, é complicado, ineficaz. Não tem sentido um retorno agora.” A entidade defende aulas presenciais só em 2021. Para ele, não há como comparar São Paulo com países europeus que reabriram escolas, pois são momentos epidêmicos e sociais distintos.



Chico Poli, presidente do sindicatos dos diretores de escolas estaduais (Udemo) também é contrário à retomada. “Neste momento, é impossível e irresponsável a volta das atividades presenciais nas escolas.” Ele alega que escolas públicas teriam dificuldades estruturais para seguir os protocolos. Já o sindicato das escolas privadas, o Sieeesp, vai aguardar o anúncio completo da Prefeitura para definir se entrará com mais uma ação na Justiça.

Fonte: R7